Como fazer uma redação nota 1000 no Enem

Dissertação é um texto que se caracteriza pela defesa de uma ideia, de um ponto de vista ou pelo questionamento acerca de um determinado assunto. Em geral, para se obter maior clareza na exposição de um ponto de vista, costuma-se distribuir a matéria em três partes:

  • introdução – em que se apresenta a ideia ou ponto de vista que será defendido;
  • desenvolvimento ou argumentação – em que se desenvolve o ponto de vista para tentar convencer o leitor; para isso, deve-se usar uma sólida argumentação, citar exemplos, recorrer a opiniões de especialistas, fornecer dados etc.
  • conclusão – em que se dá um fecho ao texto, coerente com o desenvolvimento, com os argumentos apresentados.

O ponto de vista na dissertação

Afirmamos anteriormente que os textos argumentativos/dissertativos caracterizam-se pela defesa de uma tese, de um ponto de vista.

Ponto de vista é o ângulo pelo qual alguém considera um assunto, a maneira pela qual aborda o tema, relata um fato, descreve algo. Como você pode notar por essa definição, a presença do ponto de vista não é característica exclusiva de textos argumentativos. Textos narrativos e descritivos também o apresentam. A diferença é que em textos argumentativos o ponto de vista vem sempre explicitado.

Num texto argumentativo sobre, por exemplo, a restrição à propaganda de cigarros ou de bebidas alcoólicas, podemos nos posicionar contrariamente a ela ou a favor dela, ou seja, nossa argumentação partirá de um ponto de vista que temos formado sobre o tema, que poderá ser abordado de vários ângulos: o político, o econômico, o social, o jurídico, o da saúde pública.

É importante assinalar que a explicitação de um ponto de vista é decorrente da compreensão que temos do assunto, e esta é construída a partir de nossa vivência em sociedade, de experiências, informações, enfim, de nossa “leitura” de mundo. Em outras palavras: o ponto de vista não é algo que se forma independentemente das condições sociais, econômicas, culturais que nos cercam. Na verdade, ele se constitui a partir dessas condições. Isso explica por que as pessoas têm pontos de vista diferentes sobre um mesmo tema.

Uma última e importante observação: na produção de textos escolares, inclusive em exames, o que é avaliado nos textos argumentativos/dissertativos não é o ponto de vista defendido, mas a coerência argumentativa (além, é claro, de itens como coesão textual, adequação ao tema proposto e correção gramatical). Por isso, não tenha receio de se expor, mesmo sabendo que seu ponto de vista não coincide com o de seu (sua) professor(a) ou com o do examinador. Em outras palavras: o que não se pode fazer em textos desse tipo é “ficar em cima do muro”.

Quer ajuda para fazer seu texto dissertativo agora mesmo? CLIQUE AQUI!

Planejando a dissertação

Quando queremos ir a algum lugar a que nunca fomos, costumamos, mesmo que só mentalmente, estabelecer um roteiro. Se optarmos por ir de ônibus, procuraremos saber que linha tomar, em que ponto descer etc. Se resolvermos ir de automóvel, não será diferente.

Sem esse roteiro prévio, corremos o risco de ficar rodando à toa e não chegar ao destino e, caso tenhamos a sorte de chegar, teremos perdido muito tempo nessa tarefa.

A elaboração de um texto, principalmente dissertativo-argumentativo, não é diferente: se não tivermos um plano ou um roteiro previamente preparados, correremos o risco de ficar dando voltas em torno do tema, sem chegar a lugar algum. Por isso, antes de escrever seu texto é preciso planejá-lo bem, procurando elaborar um esquema.

O esquema-padrão da dissertação

Inicialmente, é preciso não confundir esquema com rascunho.

É importante atentar para um fato: cada texto dissertativo-argumentativo, dependendo do tema e da argumentação, pede um esquema. Um texto argumentativo subjetivo, por exemplo, permite a quem vai redigi-lo utilizar certos recursos que seriam descabidos num texto argumentativo objetivo.

Esquema, portanto, é um guia no qual colocamos, em frases sucintas (ou mesmo em simples palavras), o roteiro a ser seguido para a elaboração do texto. No rascunho, damos forma ao texto; é nessa etapa que começamos a desenvolver as ideias do esquema.

Por ser o esquema um roteiro a ser seguido, convém dividi-lo nas partes de que se compõe o texto. Se vamos escrever uma dissertação, o esquema já deverá apresentar as três partes de que se compõe: introdução, desenvolvimento e conclusão, que, no esquema, podem vir representadas pelas letras a, b e c, respectivamente.

A letra a, você deverá colocar a tese que vai defender; na letra b, palavras que resumam os argumentos que você apresentará para sustentar a tese e, na letra c, uma palavra que represente a conclusão a ser dada.

Ao elaborar o esquema do desenvolvimento, é comum surgirem inúmeras ideias. Registre-as todas, mesmo que você não as utilize de imediato. Essas ideias normalmente vêm de forma caótica; por isso, mais tarde é preciso ordená-las, selecionando-as por ordem de importância. A esse processo dá-se o nome de hierarquização de ideias.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *